Estresse e Obesidade: Dra. Luciana Granja, médica especialista em emagrecimento no Recreio, explica os problemas dessa combinação perigosa

Tem uma palavra que está na mira de especialistas e pesquisadores ao redor do mundo: estresse. A preocupação tem uma explicação: este mal traz muitos problemas à saúde, tanto mental quanto físico. Um deles é a obesidade, doença que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), já atinge 20% das pessoas adultas no Brasil. Infelizmente, o estresse é uma das principais causas do sobrepeso. Isso porque quando estamos muito estressados, tendemos a secretar uma alta quantidade de cortisol, um hormônio que possui uma poderosa ação anti-inflamatória no corpo, além de desempenhar um papel importante no sistema imunológico e na regulação da glicemia. Conhecido como o hormônio do estresse, ele envia uma mensagem para cada célula do corpo avisando que precisamos de energia imediatamente ao passar por situações consideradas estressantes, como dificuldades no relacionamento, situação financeira, trabalho, saúde e peso.

Os altos níveis de cortisol na corrente sanguínea podem levar à perda de massa muscular pela sua degradação. Portanto, quanto menos massa muscular, menos calorias diárias são necessárias. Consequentemente, fica mais lento o metabolismo e mais lenta a queima de gordura, promovendo o sobrepeso e obesidade.

Para diagnosticar se o paciente este sob o domínio do estresse, é necessário exames laboratoriais e identificação de alguns sinais e sintomas. Alguns deles são: necessidade de café ou outras bebidas estimulantes; fadiga crônica, mesmo após uma noite inteira de sono; perda de resiliência emocional; falta de foco e clareza mental; maior apetite no período da noite; dificuldade para emagrecer mesmo fazendo dieta e praticando exercícios físicos; e, no caso das mulheres, irregularidade menstrual e até infertilidade.

A obesidade ocasionada pelo estresse pode ser evitada com medidas simples, como observar atentamente aos primeiros sinais como: aumento da gordura ao redor do abdômen e na parte de trás dos braços e nas costas. Além das gordurinhas indesejadas, esse processo pode comprometer a saúde, sendo um fator de risco para muitas condições de saúde, incluindo doenças cardíacas, hipertensão arterial e diabetes tipo 2.

Ao perceber estes sintomas, procure um especialista, além de começar a aderir estratégias de defesa para não cair na tentação de comer por causa da pressão. Incorpore práticas relaxantes como caminhada ao ar livre; tenha uma alimentação mais natural e nutritiva, realize atividades com controle da respiração, como meditação e ioga, dentre outras ações. Dessa maneira, o corpo vai inibir a liberação do cortisol e assim poderá controlar a vontade de comer e evitar a obesidade devido ao estresse.

***

Por Dra. Luciana Granja: Médica com especialização em pediatria e cardiopediatria. Comanda sua própria clínica, na Barra da Tijuca, com foco em tratamentos que emagrecem de forma saudável por meio de um equilíbrio de vitaminas e minerais.

Onde encontrá-la:

Rio de Janeiro: Rua senador Rui Carneiro, 301, Sala 201 Cob. 302 – Recreio. Tel.: 2480-8075 | 2490-0293

São Paulo: Av. Jurema, 380 – Moema

Mato Grosso do Sul: Gastrocor – Rua Munir Thomé, 682 – Centro – Três Lagoas. Tels.: (67) 3522-5847 | 3522-8602

WhatsApp para marcação de consultas: (21) 99762-8042 E-mail: luciaped@ig.com.br

www.dralucianagranja.blogspot.com.br

 

 

Comentários

Comentários

Confira também

Implante hormonal, também conhecido como ‘chip da beleza, ajuda a emagrecer? Por Dra Luciana Granja, médica ortomolecular, na Barra da Tijuca 

A princípio parece irresistível: elimina a menstruação, assim como seus incômodos (as terríveis cólicas, o ...