Hormônios importantes na atividade física – Dra. Luciana Granja – performance e emagrecimento – Recreio

Nosso corpo é uma máquina. E para fazê-la funcionar plenamente é preciso que os hormônios estejam em equilíbrio. É impossível viver sem eles, pois são responsáveis, por exemplo, pelas mudanças fisiológicas que ocorrem na adolescência, ao transformar as crianças em adultos, regula a quantidade de substâncias como açúcar ou cálcio, evitando o excesso ou a falta delas em nosso organismo, além de controlar o humor, comportamento, o sistema reprodutor, sono, fome, saciedade e até o estresse.

Estas substâncias, produzidas pelo sistema endócrino, possuem funções diferentes para o funcionamento adequado do nosso organismo, sendo que alguns trabalham em conjunto. Caso dos hormônios que agem quando estimulados pela atividade física, permitindo que o praticante conquiste força física e mental durante sua execução.

Alguns dos hormônios importantes na prática de exercícios são:

Hormônio do crescimento (GH): responsável por estimular diretamente na queima de gordura, além de ser um potente agente anabólico.

Adrenalina: ao ser liberada, prepara o corpo para os grandes esforços que os exercícios necessitam, acelera a queima de gordura e libera grande energia para os músculos que serão acionados.

Endorfina: aumenta a disposição física e mental, melhora a resistência imunológica, além de ser essencial para causar a sensação de prazer, melhorando a motivação e a performance durante o treino.

Insulina: a diminuição dos níveis de insulina é proporcional à intensidade do exercício, sendo que, em exercícios prolongados, ocorre um progressivo aumento na obtenção de energia.  Desta forma, o exercício torna-se importante por facilitar a captação de glicose e diminuir os níveis de insulina, sendo positivo para o indivíduo portador de diabetes.

Cortisol: funciona para preservar os estoques de carboidratos do corpo. Aumenta os combustíveis alternativos dos músculos, como os ácidos gordos e os aminoácidos (das reservas dos músculos e catabolismo de proteína), impede a entrada de glicose no músculo esquelético, e fornece os combustíveis (aminoácidos) para o fígado, para aumentar a produção de glicose.

Quando há déficit ou excesso de hormônios, o resultado pode ser queda na performance, no peso ou na composição corporal (massa muscular e gordura). Fique atento  e procure um especialista.

***

Por Dra. Luciana Granja: Medicina Integrativa, Performance Humana e Emagrecimento. Médica com especialização em pediatria e cardiopediatria. Comanda sua própria clínica, na Barra da Tijuca, com foco em tratamentos que emagrecem de forma saudável por meio de um equilíbrio de vitaminas e minerais.

Onde encontrá-la:

Rio de Janeiro: Rua senador Rui Carneiro, 301, Sala 201 Cob. 302 – Recreio. Tel.: 2480-8075 | 2490-0293

São Paulo: Av. Jurema, 380 – Moema

Mato Grosso do Sul: Gastrocor – Rua Munir Thomé, 682 – Centro – Três Lagoas. Tels.: (67) 3522-5847 | 3522-8602

WhatsApp para marcação de consultas: (21) 99762-8042 E-mail: luciaped@ig.com.br

www.dralucianagranja.blogspot.com.br

Comentários

Comentários

Confira também

Estresse e Obesidade: Dra. Luciana Granja, médica especialista em emagrecimento no Recreio, explica os problemas dessa combinação perigosa

Tem uma palavra que está na mira de especialistas e pesquisadores ao redor do mundo: ...