Os melhores tratamentos estéticos para fazer no inverno – por Dra. Ana Carolina Barreto

A estação mais fria do ano é também a melhor época para apostar nos tratamentos estéticos. Isso porque no inverno a incidência solar é menor, logo as agressões causadas pela exposição aos raios UVA e UVB também diminuem. Isso significa que é possível fazer procedimentos como peeling e laser sem sensibilizar ainda mais a pele.

Dentre os mais indicados, escolhi os meus favoritos para tratar a pele enquanto os dias estão mais frios:

Peeling: É um tratamento que provoca a renovação epidérmica através de uma microdermoabrasão – que consiste em descamar a pele e iniciar o processo de renovação celular. Ou seja, a pele com manchas e marcas é removida, dando lugar a outra mais nova e elástica, sem cravos, cicatrizes de acne, linhas de expressão e asperezas. O peeling químico também age reduzindo a oleosidade, diminuindo poros dilatados, melhorando a hidratação e promovendo um brilho saudável à pele. É melhor fazer no inverno porque um dos principais cuidados no pós-procedimento é evitar ao máximo a exposição solar para não causar manchas na pele.

Microagulhamento: Indicado para quem possui fotoenvelhecimento (resurfacing), diminuir cicatrizes de acne, de queimadura e cirúrgicas, clarear estrias e melasma, melhorar a textura da pele, reduzindo os poros dilatados, e auxiliar na deposição de substâncias terapêuticas nas camadas mais profundas da pele (drug delivery). É melhor fazer no inverno porque o procedimento produz furos minúsculos na pele com o objetivo de estimular os fibroblastos e estimular a regeneração celular, por isso se expor ao sol também está proibido!

Laser: São vários os tratamentos que podem ser realizados com laser, inclusive a depilação, já que o laser destrói os folículos por onde nascem os pelos. O laser, em sua forma fracionada, também trata cicatrizes de acne e rugas profundas, atingindo até as camadas mais profundas da pele e estimulando a produção de colágeno, o que diminui a flacidez e deixa a pele mais jovem e lisinha. É melhor fazer no inverno porque o procedimento deixa a pele levemente ferida, com “casquinhas” que se formam e são eliminadas ao longo dos dias, e nessa fase não é recomendada a exposição solar.

LED: O procedimento utiliza a emissão de luzes de diferentes cores com resultados diferentes, indicadas de acordo com as necessidades de cada paciente. O LED azul tem ação bactericida e trata a acne e a dermatite seborreica no couro cabeludo, além de suavizar manchas e clarear a pele. Já o LED vermelho possui ação anti-inflamatória, cicatrizante e estimula a circulação sanguínea onde é aplicado, e por isso é ideal para estimular os folículos capilares a produzirem novos fios e também para evitar cicatrizes na pele após outros tratamentos estéticos invasivos. É melhor fazer no inverno porque, apesar de ser um tratamento menos agressivo, deixa a pele sensibilizada, devendo a paciente evitar a exposição solar para não perder os resultados obtidos.

***

Por Dra. Ana Carolina Barreto Ferreira: Médica graduada pela Universidade do Sul de Santa Catarina, pós – graduada em Alergia e Imunologia  e pós – graduada em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. É membro efetivo da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), membro da European Academy of Dermatology and Venereology (EADV), membro titular do Colégio Íbero-Latino-Americano de Dermatologia (CILAD) e membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia (SBLMC ).

Onde encontrá-la!

Florianópolis – SC: Rua Presidente Coutinho, 579, 2º andar, Centro.
Tel: (48) 3333-0051.

Porto Alegre – RS:
Rua Professor Annes Dias, 154, sala 404, Centro.
Tel: (51) 32129841 | WhatsApp: (51) 99940 2322.

www.anacarolinabarretoferreira.com.br

Comentários

Comentários

Confira também

Dra. Ana Carolina Barreto Ferreira explica como identificar e tratar alergias a alimentos e medicamentos

As alergias alimentares são comuns (cerca de um quinto da população tem reações adversas a ...